Lições de Umbanda

A UMBANDA NOS ENSINA um modelo de trabalho com Amor, Respeito e Liberdade, fundamentado no Deus Único. É um campo onde ensaiamos uma vivência fraterna, sempre a serviço de toda a humanidade. Não apenas a fraternidade entre os que pensam de modo igual, mas aquela que vai além e inclui a todos, por mais diferentes. Afinal – não importa o nome que a Ele se dê, Deus é Pai-Mãe de todos.

Deus está em tudo e em todos. É a Fonte que a tudo gera. É a Luz que nos inspira a caminhar – e caminhar do jeito que nós somos, da forma que

sabemos e podemos. Ele nos criou e nos vê como irmãos de caminhada, no compromisso de aprender e dividir, para que todos possam crescer e evoluir. Caminhando conosco, no íntimo de cada um, Deus nos convida a um jeito apurado de amar: a reconhecê-lo em todas as formas, seres, ares e lugares, e a celebrar a Vida em todos os caminhos.

Nem sempre esses caminhos são de flores. Alguns há que nos trazem dores. Às vezes, calha de sermos chamados a aperfeiçoar o passo, corrigindo alguma falha. Não importa. Com Deus em nosso caminhar jamais haverá fracasso. O gosto da vitória sobre nós mesmos é sempre muito bom, é prazeroso. Por isso que o caminhar com Deus, como filhos, seus iguais, é sempre venturoso.

Na Umbanda, trabalham lado a lado Caboclos, Exus e Pombagiras, Pretos Velhos, Crianças, Baianos, Ciganos, Marinheiros, Juremeiros, Boiadeiros, Mirins e tantos outros tarefeiros que não se prendem a nome algum. Isso ocorre porque estão, todos eles, a serviço do UM.

Tão diferentes entre si, no entanto comungam do mesmo ideal de Amor, Respeito e Liberdade. Demonstrando a soberana utilidade do serviço simples e possível, são elos que constroem a corrente inquebrantável da União pelo Bem comum.

Por isso, não percamos tempo a lamentar o que ainda não sabemos ou podemos. A vida é troca e aprendizado. E o tempo, pelo qual passamos, é valioso demais para ser desperdiçado. Alguma coisa nós podemos doar. Algo haveremos, também, de receber. Sob as Luzes do Eterno, é sempre tempo de colaborar e aprender. Pois, afinal, por que viemos? E para onde vamos? Viemos todos na tarefa de redescobrir e reavivar a Centelha interna, a Chama da Vida que em tudo habita. E vamos, assim sempre seguros, na direção da Luz de Deus que Nunca Falha!

Por FÁTIMA GONÇALVES (Mensagem de Pai Tomé)