Ponto – Oxóssi


Oh Senhor das matas, nesta sua paz eu, eu vou me abrigar
Nesse chão de igualdade, vou sentir liberdade, com o Senhor vou caçar
Vou parar nesse verde, de Oxóssi, esperança para mim
Entre folhas caindo, pé no chão vou seguindo, eu vou viver

Acordar quando sol, no horizonte nascer,
Me banhar nos seus rios, liberto a correr
Folhas verdes no frio, irão me guardar
Santa paz de Oxóssi, vai me agasalhar


Quem é o cavaleiro
Que vem lá de Aruanda
É Oxóssi em seu cavalo
Com seu chapéu de banda

Quem é esse cacique
Glorioso e guerreiro
É Oxóssi em seu cavalo
Vem descer neste terreiro

Vem de Aruanda, ê
Vem de Aruanda, á

Ele é filho do verde
Ele é filho da mata
Saravá Nossa Senhora
A sua flecha mata


Oxóssi na mata é Rei,
Oxóssi na mata é,
Quem passa pelos caminhos,
sem deixar marcas do pé!
Oxóssi na mata é Rei,
Oxóssi na mata é,
Quem passa pelos caminhos,
sem deixar marcas do pé!
Ele tem flecha e bodoque,
Ele tem lança e cocar,
Na mata está o seu reino e na mata reinará!
Oxóssi na mata é Rei,
Oxóssi na mata é,
Quem passa pelos caminhos,
sem deixar marcas do pé!
Caboclo não desacata,
caboclo sabe quem é,
Quem anda dentro da mata sem deixar marcas de pé
Oxóssi na mata é Rei,
Oxóssi na mata é,
Quem passa pelos caminhos,
sem deixar marcas do pé!”